OS ALUNOS DE PSICOLOGIA DA FPM LANÇAM SEGUNDO TROTE SOLIDÁRIO

OS ALUNOS DE PSICOLOGIA DA FPM LANÇAM SEGUNDO TROTE SOLIDÁRIO – PSICOLOGIA EM MOVIMENTO


Em sua 2º edição, os calouros do curso de Psicologia da FPM turma 2017 lançam o Trote Solidário – Psicologia em movimento. Nesse ano, o objetivo é arrecadar roupas e roupas de cama que serão entregues para a “Casa das Meninas”.

O projeto esse ano conta novamente com o apoio do Departamento de Graduação em Psicologia, LigaPsico, professores e demais alunos, visando não só promover a interação dos novos alunos mas também despertar o olhar humano e social para a comunidade.

O coordenador do curso, Prof. Júnior Antoniassi destacou a iniciativa dos alunos como empreendedorismo social e fez questão de reforçar que este é o diferencial dos que querem uma formação mais humana na Psicologia.

A graduanda e CoPresidente da LigaPsico Pâmela Andrade Araújo destaca que “é essencial a existência de um projeto assim na graduação, fortalecendo os laços dos novos alunos com a própria comunidade e mostrando a eles que a psicologia vai e precisa de fato ir além da teoria, precisava ser colocada em prática e que o olhar para o ser humano como um todo, precisa ser despertado ainda nos primeiros meses de faculdade”.

Para o aluno Caio Pacheco, calouro do curso, “a ideia do trote solidário foi recebida como uma oportunidade de em conjunto com meus colegas exercer acima de tudo, o amor ao próximo, conseguindo levar um pouco de aconchego e conforto a pessoas carentes, como uma chance de haver uma troca fraternal de carinho com essas pessoas, fato que certamente irá nos engrandecer como seres humanos”.

A aluna Valéria José da Silva, também caloura do curso, relata que o trote solidário “foi visto por nós alunos como uma manifestação da parceria como futuros profissionais no ramo da psicologia, buscando a manifestação conjunta em prol de uma causa beneficente, visando nossa prestação de solidariedade ao próximo”.

No próximo dia 13/05, sábado, os alunos realizarão o Dia de Mobilização no Coreto Municipal, situado na Avenida Getúlio Vargas. Os alunos estarão de 9h às 12h arrecadando as doações da população e irão sortear brindes para os maiores doadores de agasalhos e roupas de camas, oferecidos pela Indústria de Calçados Patureba e Brasileirinho Delivery.

As arrecadações poderão ser feitas até dia 19/05/2017 entregues no Campus JK, situado na Avenida Juscelino Kubitschek, 1200- Bairro Cristo Redentor no 3º Piso ou diretamente para os alunos do primeiro período. Para maiores informações falar com Caio (34) 99175-7778 e/ou Bia (34) 99982-6328.

ASCOM – DPGPSI/FPM.

DPGPSI/FPM NA LUTA ANTIMANICOMIAL

A LIBERDADE É O MELHOR CUIDADO, DPGPSI/FPM NA LUTA, APRESENTA: UM DIA DIFERENTE.

O Departamento de Graduação em Psicologia da Faculdade Patos de Minas realiza no dia 12 de maio de 2017 a partir das 8 horas no Campus JK/FPM – o dia deferente em comemoração ao 18 de maio dia Nacional da Luta Antimanicomial.

Os cuidados em saúde mental no Brasil e no mundo já foram sinônimos de exclusão social das pessoas em sofrimento psiquico grave, traduzindo tratamento em internações em manicômios, em sua maioria, em condições sub humanas deflagrando um histórico de desrespeito aos direitos humanos destes cidadãos. Diante desta realidade, profissionais, usuários, famíliares e sociedade civil se uniu em torno de um grande movimento social que tem como objetivo principal combater a segregação e o preconceito que ainda existe em torno das questões do adoecimento psiquico.

Segundo a Profa. Ma. Aline Fernandes (Responsável pelas Práticas do CEPPACE – DPGPSI/FPM) – o Movimento da Luta Antimanicomial se caracteriza pela luta pelos direitos das pessoas com sofrimento mental. Dentro desta luta está o combate à ideia de que se deve isolar a pessoa com sofrimento mental em nome de pretensos tratamentos, ideia baseada apenas nos preconceitos que cercam a doença mental, faz lembrar que como todo cidadão estas pessoas têm o direito fundamental à liberdade, o direito a viver em sociedade, além do direto a receber cuidado e tratamento sem que para isto tenham que abrir mão de seu lugar de cidadãos.

O Coordenador do Curso Prof. Me. Junior Antoniassi lembra que por esta razão o Movimento tem como meta a substituição progressiva dos hospitais psiquiátricos tradicionais por serviços abertos de tratamento e formas de atenção dignas e diversificadas de modo a atender às diferentes formas e momentos em que o sofrimento mental surge e se manifesta. Esta substituição implica na implantação de uma ampla rede de atenção em saúde mental que deve ser aberta e competente para oferecer atendimento aos problemas de saúde mental da população de todas as faixas etárias e apoio às famílias, promovendo autonomia, descronificação e desinstitucionalização. Além dos serviços de saúde, esta rede de atenção deve se articular a serviços das áreas de ação social, cidadania, cultura, educação, trabalho e renda, etc., além de incluir as ações e recursos diversos da sociedade.

Tal movimento teve seu início marcado em 1987, em continuidade a ações de luta política na área da saúde pública no Brasil por parte de profissionais de saúde que contribuíram na própria constituição do SUS. Naquele ano a discussão sobre a possibilidade de uma intervenção social para o problema da saúde mental, especificamente, dos absurdos que aconteciam nos manicômios ganhou relevância, permitindo o surgimento específico deste movimento. Desde então a participação paritária de usuários de serviços e seus familiares se tornou característica deste movimento. Em 1987 estabeleceu-se o lema do movimento: “Por uma sociedade sem manicômios”, e o 18 de maio foi definido como o Dia Nacional da Luta Antimanicomial, data comemorada desde então em todo o país.

Apesar de o movimento contar com muitos avanços nos objetivos propostos, ainda observamos que os manicômios “invisíveis”, que se traduzem em atitudes preconceituosas, de não respeito ou não promoção de autonomia destes sujeitos, ainda estão muito presentes. Sendo assim, eventos como o do presente projeto tem como objetivo, não apenas comemorar os avanços já atingidos nessa luta, mas também lembrar que a mobilização social em torno da temática deve persistir cotidianamente.

O Professor Junior Antoniassi fez questão de ressaltar que o evento contará com a participação do CAPS de Patos de Minas, ressaltando a importância da universidade estar em comunicação contínua com rede de Saúde Mental, sendo assim a faculdade irá ofertar atividades programadas para os usuários do serviço, aproximando acadêmicos daqueles que necessitam de liberdade para serem cuidados.

A Comunidade DPGPSI/FPM convida a todos interessados a participarem do evento conforme a programação.

Faça sua Inscrição – clique aqui

TV PSIQUÊ MOVIMENTA INTERVALO CULTURAL EM COMEMORAÇÃO AO MÊS DA CONSCIÊNCIA DA SINDROME DE DOWN

O 21 de março é considerado o Dia Internacional da Síndrome de Down, a síndrome que é uma alteração genética no cromossomo “21”, que deve ser formado por um par, mas no caso das pessoas com a síndrome, aparece com “3” exemplares (trissomia). A ideia surgiu na Down Syndrome Internacional, na pessoa do geneticista da Universidade de Genebra, Stylianos E. Antonorakis, e foi referendada pela Organização das Nações Unidas em seu calendário oficial.

Talvez você se pergunte: mas por que comemorar uma síndrome?! Segundo o site Movimento Down, essa data tem por finalidade dar visibilidade ao tema, reduzindo a origem do preconceito, que é a falta de informação correta. Em outras palavras, combater o “mito” que teima em transformar uma diferença num rótulo, numa sociedade cada vez mais sem tempo, sensibilidade ou paciência para o “diferente”.

Por isso não o Curso de Psicologia não podia ficar parado, e fazer a diferença é ser diferente, e diferente todos é. E no último dia 31 o grupo do Projeto Interdisciplinar – TV Psiquê realizou o 1º Intervalo Cultural, com a temática SER DIFERNETE É NORMAL. O grupo é coordenador pelos Professores Junior Antoniassi, Hugo Christiano, Renata Ferreira, Tatiana Silva, Braúlio Emilio, Luciana Araújo e Cíntia Marques. A finalidade do Projeto da TV Psiquê quefaz parte do MIP do DPGPSI/FPM é, proporcionar a integração acadêmica entre os discentes, criando e mantendo um canal de TV no Youtube. Divulgando as atividades do curso, promover entrevistas e diversidade cultural e da Psicologia e eventos no decorrer do ano letivo no campus universitário.